sexta-feira, 31 de julho de 2015

Hammer – 80 anos de Horror



Entre os dias 4 e 16 de agosto, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) exibe a mostra Hammer – 80 anos de Horror, com dezoito filmes da lendária produtora britânica, incluindo diversas obras-primas, como O Vampiro da Noite (1958), A Maldição de Frankenstein (1957) e As Bodas de Satã (1966), com cópias em alta definição. A mostra tem o apoio da distribuidora MPLC e da locadora E O Vídeo Levou.  (Ingresso: R$ 4,00)

A HAMMER

Londres, final de 1934, William Hinds, um comediante oriundo da região de Hammersmith, investe todos os seus recursos na fundação de uma companhia cinematográfica. Em homenagem ao seu antigo distrito a produtora é batizada de Hammer Film Productions. No ano seguinte Hinds associa-se ao imigrante espanhol Enrique Carreras, dono de um antigo cinema, e produzem quatro filmes em dois anos. Em 1938 os respectivos filhos, Anthony Hinds e James Carreras, juntam-se à produtora iniciando uma parceria que no futuro transformaria a Hammer na mais emblemática e cultuada produtora de cinema inglesa. Até meados dos anos 1950 a Hammer produziu de comédias, e aventuras policiais, até filmes de piratas, porém, foi em 1955 que a produtora começaria se direcionar para o gênero que marcaria o seu nome, com a ficção científica “Terror Que Mata” (The Quatermass Xperiment).

Entre 1957 e 1959 a Hammer realizou três obras que definiriam o estilo da produtora, consolidando o horror como o seu carro chefe, “A Maldição de Frankenstein” (The Curse of Frankestein), “O Vampiro da Noite” (Horror of Dracula), e “A Múmia” (The Mummy). Estes filmes, além de revitalizações dos notórios monstros clássicos do ciclo de terror da Universal dos anos 1930, transformaram os atores Peter Cushing e Christopher Lee em verdadeiras lendas do cinema fantástico, tornando-os figuras indissociáveis, não apenas de seus personagens como da própria produtora. Durante anos de intensa atividade a Hammer fomentou o mercado cinematográfico inglês com sangue e pavor, realizando mais de uma centena de filmes, e servindo de base para que diretores como Terence Fisher, Roy Ward Baker, e John Hough explorassem seu talento.

A produtora cerrou suas portas em 1979, retornando suas atividades em 2008, direcionando seu trabalho para uma nova geração de fãs de horror. De 04 a 16 de agosto, a mostra Hammer – 80 Anos de Horror, irá homenagear está emblemática produtora inglesa, focando em sua fase clássica, exibindo um panorama envolvendo 18 títulos representativos desta verdadeira fábrica de fantasia e pesadelos, que há décadas povoa o imaginário dos cinéfilos, e continua influenciando realizadores ao redor do globo com seu universo repleto de vampiros, múmias, mortos vivos, e outras criaturas monstruosas.


FILMES

Terror que Mata (The Quatermass Xperiment), de Val Guest (1955) / 82 minutos.
Um foguete cai num campo no interior da Inglaterra. Dos três membros da tripulação, dois desapareceram misteriosamente. O terceiro, quase morto, sofre uma incrível metamorfose, se transformando em um ser monstruoso. O Professor Quatermass descobre que o mistério envolve um plano de invasão idealizado por uma estranha forma de vida alienígena. Seminal incursão da produtora Hammer no universo do horror e da fantasia. Exibição digital em alta definição.

 
O Vampiro da Noite (Horror of Drácula), de Terence Fisher (1958) / 82 minutos
O Conde Drácula (Christopher Lee), um vampiro condenado à vida eterna, deixa sua terra natal, na Transilvânia, para ir a Londres em busca de novas vítimas. Seus hábitos noturnos chamam a atenção do Dr. Van Helsing (Peter Cushing), um cientista que se torna inimigo implacável do conde, determinado a por um fim à sua implacável sede de sangue. Uma obra-prima do cinema britânico que consagrou o ator Christopher Lee, e os estúdios Hammer, introduzindo uma nova era nos clássicos de terror. (Versão restaurada pela British Film Institute). Exibição digital em alta definição.

A Múmia (The Mummy), de Terence Fisher (1959) / 86 minutos
Egito, 1895. Três arqueologistas britânicos, John Banning (Peter Cushing), Stephen Banning (Felix Aylmer) e Joseph Whemple (Raymond Hutley), descobrem o túmulo de uma princesa egípcia, Ananka (Yvonne Furneaux), que morreu há quatro mil anos. Sem imaginar o que realmente fazia, Stephen lê o "Pergaminho da Vida". Isto faz voltar a vida Kharis (Christopher Lee), o guardião da tumba, que recebe a ajuda de Mehemet Bey (George Pastell), um egípcio que não aceita o túmulo ter sido profanado por "infiéis". Três anos depois, Mehemet leva Kharis para a Inglaterra, lhe dando a missão de matar os três arqueólogos que lideraram a expedição que achou a tumba de Ananka. Exibição digital em alta definição.

A Maldição do Lobisomem (The Curse of the Werewolf), de Terence Fisher (1960) / 93 minutos
Sobre um bebê indesejado, nascido na noite de Natal, caiu uma terrível maldição. Criado por Don Alfredo, o jovem Leon passa a sofrer transformações com a chegada da lua cheia. Só o amor verdadeiro e a compreensão podem salvá-lo de seu terrível destino. Exibição digital em alta definição.

As Bodas de Satã (The Devil Rides Out), de Terence Fisher (1968) / 96 minutos
Christopher Lee atua como um duque francês que está preocupado com o comportamento estranho de seu amigo, Patrick Mower. O duque tem toda razão: A menos que sejam tomadas medidas drásticas, Mower perderá sua alma para Satanás dentro de três dias. Exibição em arquivo digital de alta definição. Exibição digital em alta definição.




A Maldição de Frankenstein (The Curse of Frankestein), de Terence Fisher (1957) / 82 minutos
O barão Victor Frankenstein (Peter Cushing) descobre uma maneira de enganar a morte. Para testar sua descoberta, monta um corpo com pedaços de diferentes cadáveres. É o filme que dá início ao ciclo de horror da Hammer. Primeira incursão da Hammer no horror gótico, que desencadearia um prolífico ciclo de produções do gênero.
Exibição digital em alta definição.

Nas Garras do Ódio (The nanny), de Seth Holt (1966) / 91 minutos
Depois de passar dois anos em uma instituição para pessoas com doenças mentais, o garoto Joey está voltando para a casa dos pais ricos e ausentes. Em casa, reencontra seu antigo algoz: a babá. Exibição em DVD.



A Serpente (The Reptile), de John Gilling (1966) / 91 minutos
Dr. Franhlyn (Noel Willman) faz parte de um misterioso culto de adoradores de serpentes. Pessoas de seu vilarejo passam a ser atacadas por uma aterrorizante criatura, meio humana, meio réptil. Um jovem casal tenta descobrir a verdade. Exibição em DVD.


Rasputin: O Monge Louco, de Don Sharp (Rasputin: The Mad Monk) (1966) / 91 minutos
Christopher Lee é Grigori Rasputin, que deixa uma trilha de assassinatos no seu caminho rumo ao poder na Rússia. Exibição digital em alta definição. Exibição digital em alta definição. Exibição digital em alta definição.


Epidemia de Zumbis (The Plague of The Zombies), de John Gilling (1966) / 91 minutos
Uma estranha epidemia de proporções gigantescas toma conta do território inglês. Milhares de mortos estão levantando de suas tumbas e aterrorizando o mundo dos vivos. Dr. Peter Thompson, com a ajuda de seu mestre, Sir James Forbes, está tentando controlar a terrível praga. Suas investigações os levarão a uma horrível descoberta. Exibição em DVD.

Uma Sepultura na Eternidade (Quatermass and the Pit), de Roy Ward Baker (1967) / 97 minutos
Trabalhando na construção de uma nova linha do metrô em Londres, um grupo de operários encontra a carcaça do que acreditam ser um artefato bélico pertencente aos alemães, da época da Segunda Guerra. Porém, quando um especialista investiga o objeto, todos descobrem que ele guarda outro grande segredo. Exibição digital em alta definição. Exibição digital em alta definição.

Carmilla, A Vampira De Karnstein, (The Vampire Lovers) de Roy Ward Baker (1970) / 91 minutos
Quando uma misteriosa condessa viaja para o exterior para visitar um amigo doente, o general Spielsdorf oferece sua hospitalidade. O que o general não imagina é que Carmilla é a reencarnacão de uma terrível vampira que inicia um ritual macabro para saciar sua sede de sangue. Exibição digital em alta definição.

Filhas de Drácula (Twins of Evil), de John Hough (1971) / 87 minutos
Gêmeas vão viver com o tio, num vilarejo, no qual à noite são vistas misteriosas figuras femininas vagando nas sombras. Os aldeões acreditam que o responsável por tudo é o Conde Karnstein, que mora num castelo. Mas elas acabam aproximando-se do castelo, a despeito da proibição do tio. Exibição digital em alta definição.

Fanatismo Macabro (Die!Die! My Darling!), de Silvio Narizzano (1965) / 97 minutos
Uma fanática religiosa fica obcecada pelo espírito do filho morto num acidente. Quando a ex-namorada do rapaz lhe faz uma visita inesperada, ela aprisiona a bela jovem para "limpar" sua alma antes de se unir ao filho no céu. Exibição em DVD.




O Cão dos Baskervilles (The Hound of the Baskervilles), de Terence Fisher (1959) / 87 minutos
Um mal demoníaco está oculto no fundo dos penhascos cobertos pela névoa dos lendários terrenos de caça da Inglaterra. Na forma de um diabólico cão de caça, ele se alimenta da trêmula carne dos herdeiros da mansão Baskerville.
Mas antes que essa besta selvagem possa cravar seus dentes no mais novo dono da propriedade, ele precisa lançar suas ferozes presas contra o perspicaz intelecto do mais poderoso adversário que ele jamais encontrou - o incomparável Sherlock Holmes. Exibição digital em alta definição.


As Noivas do Vampiro (The Brides of Dracula), de Terence Fisher (1960) / 85 minutos
Marianne Danielle está viajando pelo Leste Europeu a fim de assumir o cargo de professora de francês em uma escola para moças na Transilvânia, agora livre da ameaça do Conde Drácula. Ela não é muito bem recebida pelos locais e acaba sendo acomodada no castelo da Baronesa Meinster, onde conhece o filho da nobre, que vive acorrentado à parede. Com pena do jovem, Marianne decide libertá-lo sem desconfiar que ele é um vampiro. Para sorte dela, o Doutor Van Helsing está por perto e promete por fim à vida de mais esse ser das trevas. Exibição digital em alta definição.

Quando os Dinossauros Dominavam a Terra (When Dinosaurs Ruled the Earth), de Val Guest (1970) /  100 minutos
Uma pequena tribo está lutando pela sobrevivência, oferecendo uma rara mulher loira como sacrifício para obter proteção contra os dinossauros. Exibição em DVD.
  




PROJETO RAROS: A Lenda dos Sete Vampiros (The Legend of the 7 Golden Vampires), de Roy Ward Baker e Chang Cheh (1974) / 83 minutos
Van Helsing conta a seus estudantes a respeito de uma vilarejo amaldiçoado na China, onde, todo ano, durante 7 luas, a região é atormentada por sete vampiros. O famoso caçador de vampiros é persuadido por uma família de experts em Kung Fu a ajudar a salvar os moradores. Enquanto isso, o Conde Drácula se aproxima. Exibição em DVD.


GRADE DE HORÁRIOS
04 a 09 de agosto de 2015

04 de agosto (terça-feira)
15:00 – Terror que Mata (82’)
17:00 – As Filhas de Drácula (87’)
19:30 – O Vampiro da Noite (82’)

05 de agosto (quarta-feira)
15:00 – Uma Sepultura na Eternidade (97’)
17:00 – Quando os Dinossauros Dominavam a Terra (100’)
19:30 – A Maldição de Frankenstein (82’)

06 de agosto (quinta-feira)
15:00 – Nas Garras do Ódio (91’)
17:00 – Fanatismo Macabro (97’)
19:30 – A Múmia (86’)

07 de agosto (sexta-feira)
15:00 – A Maldição de Frankenstein (82’)
17:00 – Carmilla, A Vampira De Karnstein (91’)
20:00 – Projeto Raros: A Lenda dos Sete Vampiros (83’)

08 de agosto (sábado)
15:00 – Rasputin: O Monge Louco (91’)
17:00 – Epidemia de Zumbis (91’)
19:00 – A Maldição do Lobisomem (93’)

09 de agosto (domingo)
15:00 – A Serpente (91’)
17:00 – O Vampiro da Noite (82’)
19:00 – As Bodas de Satã (96’)



GRADE DE HORÁRIOS
11 a 16 de agosto de 2015

11 de agosto (terça-feira)
15:00 – Fanatismo Macabro (97’)
17:00 – A Maldição do Lobisomem (93’)
19:30 – O Cão dos Baskervilles (87’)

12 de agosto (quarta-feira)
15:00 – Epidemia de Zumbis (91’)
17:00 – As Filhas de Dracula (87’)
19:30 – As Noivas do Vampiro (85’)

13 de agosto (quinta-feira)
15:00 – Quando os Dinossauros Dominavam a Terra (100’)
17:00 – A Múmia (86’)
19:30 – Uma Sepultura na Eternidade (97’)

14 de agosto (sexta-feira)
15:00 – O Cão dos Baskervilles (87’)
17:00 – Nas Garras do Ódio (91’)
19:00 – Carmilla, A Vampira De Karnstein (91’)

15 de agosto (sábado)
15:00 – As Bodas de Satã (96’)
17:00 – As Filhas de Drácula (87’)
18:30 – Sessão Aurora: O Pagamento Final

16 de agosto (domingo)
15:00 – A Maldição de Frankenstein (82’)
17:00 – O Vampiro da Noite (82’)
19:00 – A Múmia (86’)




quarta-feira, 29 de julho de 2015

Encontro entre a Hammer e Shaw Brothers no Projeto Raros



Nesta sexta-feira, 7 de agosto, às 20h30, o Projeto Raros exibe na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) A Lenda dos Sete Vampiros (1974, 83 minutos), de Roy Ward Baker e Chang Cheh, filme que marca o encontro entre o horror inglês e o cinema de artes marciais de Hong Kong. Destaque da mostra Hammer – 80 anos de Horror, a sessão tem entrada franca e projeção em DVD (legendas em português). Depois da exibição acontece um debate com os pesquisadores Carlos Thomaz Albornoz, Cristian Verardi e Cesar Almeida.

Dizia a publicidade brasileira da época: “o primeiro filme de caratê e vampiro”! Van Helsing conta a seus estudantes sobre um vilarejo amaldiçoado na China que, todo ano, durante 7 luas, é atormentado por sete vampiros. O famoso caçador de vampiros é persuadido por uma família de experts em Kung Fu a tentar salvar os moradores. Enquanto isso, o Conde Drácula se aproxima...

A Lenda dos Sete Vampiros marca o encontro entre a Hammer, que naqueles anos não vivia a mesma popularidade dos anos 1960, com os Shaw Brothers, lendários produtores de filmes de Hong Kong que lançaram obras-primas de diretores como King Hu, Lau Kar-leung e Chang Cheh, num período de renovação do cinema de artes marciais chinês. A direção do filme ficou a serviço de um dos mais renomados cineastas britânicos, Roy Ward Baker. É um dos últimos longas para o cinema do diretor. Já as cenas de ação foram encenadas por Chang Cheh, que acabou não creditado.  


Projeto Raros
A Lenda dos Sete Vampiros
(The Legend of the 7 Golden Vampires)
1974 / Reino Unido, Hong Kong / 83 min
Direção: Roy Ward Baker e Chang Cheh
Roteiro: Don Houghton

Produção: Don Houghton, Vee King Shaw, Run Run Shaw e Rumme Shaw Elenco: Peter Cushing, David Chiang, Julie Ege, Robin Stewart, Szu Shih, John Forbes-Robertson, Shen Chan

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Última semana para ver Batguano, Hamlet e Jornada ao Oeste




Os filmes Jornada ao Oeste, de Tsai Ming-liangBatguano, de Tavinho Teixeira, e Hamlet, de Cristiano Burlan seguem em exibição na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) até o dia 02 de agosto. As sessões têm projeção digital em alta definição. O valor do ingresso é de R$ 8,00. 



GRADE DE HORÁRIOS
28 de julho a 2 de agosto de 2015

28 de julho (terça-feira)

15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano
20:30 – Sessão Plataforma (Maidan, de Sergei Loznitsa)

29 de julho (quarta-feira)

15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano

30 de julho (quinta-feira)

15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano

31 de julho (sexta-feira)

15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano
20:30 – Exibição do documentário Sem dentes: Banguela Records e a Turma de 94, de Ricardo Alexandre

1 de agosto (sábado)

15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Reprise da Sessão Plataforma (Maidan, de Sergei Loznitsa)

2 de agosto (domingo)

15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano




JORNADA AO OESTE de Tsai Ming-liang

SINOPSE – Enquanto um homem exausto respira agitado à beira-mar, um monge budista, trajando vestes vermelhas, caminha a um ritmo imperceptível pelas ruas de Marseille, na França. O caminhar lento do monge chama a atenção dos pedestres das ruas movimentadas. A câmera revela pequenos e belos fragmentos da influência que esse caminhante incomum provoca nos habitantes da cidade, até o momento em que o monge ganha, enfim, um discípulo.

Tsai Ming-Liang nasceu em Kuching, na Malásia, em 1957. Mudou para Taiwan, aos 20 anos, para estudar Cinema e Teatro na Chinese Culture University – uma transição que marcou o diretor, que diz não pertencer ou se sentir em casa em nenhum dos dois países. Ming-Liang começou sua carreira como diretor e produtor na TV Taiwanesa, e ganhou destaque na cena cinematográfica ao vencer o Leão de Ouro no Mostra de Veneza, em 1994, com o filme Vive l'Amour. Em 1997, O Rio ganhou o Urso de Prata do Festival de Berlim. Em 2013, Cães errantes recebeu o Prêmio Especial do Júri na Mostra de Veneza. Tsai Ming-Liang é considerado um dos diretores mais importantes em atividade no cinema mundial.

Ficha técnica Direção: Ming-liang Tsai Elenco: Kang-sheng Lee, Denis Lavant Roteiro: Ming-liang Tsai Produção: Frédéric Bellaïche, Vincent Wang Co-produção: Antonin Dedet, Samuel Tronçon Diretor de fotografia: Antoine Héberlé Edição: Lei Zhen Qing Música: Sébastien Mauro Título original: Xi you Ano: 2014 Distribuição brasileira: Zeta Filmes

BATGUANO de Tavinho Teixeira

SINOPSE – Éramos então um só ser duplo vivo transformado com duas cabeças pensando e logo nos tornamos símbolo da perfeição do novo ser em sua máxima evolução e potência e desejo e vontade e expansão e começamos a viajar pelo universo por todas as galáxias divulgando nossa dupla de repentistas punk-rock completos porque a Terra havia ficado pequena demais para nós dois.

Tavinho Teixeira nasceu em 1965 na Paraíba, de lá pra cá desenvolveu atividades nas Artes Cênicas, na Literatura e no Cinema nos mais variados lugares e momentos de sua vida. Firmouse como ator e diretor, chegando a se formar em Interpretação Teatral noCAL, no Rio de Janeiro em 1995. Por essa época foi integrante do grupo teatral “Sarça de Horeb” e trabalhou como ator nas peças: Torturas de Um Coração e AVia Sacra, ambas dirigidas por Almir Telles. Sua trajetória no cinema começou nos anos 90 trabalhando como ator no longa Eu sou o servo, de Eliezer Rolim. Nos anos seguintes deu continuidade ao oficio de ator trabalhando em váriosprojetos, tais como o longa metragem Baptista Virou Máquina ea mini serie de TV A Pedra Do Reino. Em 2011, iniciou sua trajetória como diretor com o longa-metragem Luzeiro Volante, em seguida dirigiu o curta Purpura (2012). Batguano é seu segundo longa metragem. Escreveu os livros de poesia Deus somos nós (1998) e Luzeiro volante (2002)

Ficha Técnica DIREÇÃO E ROTEIRO Tavinho Teixeira Brasil, 4k, 2014, Cor, 74 min, Classificação Indicativa: 18 anos –  ELENCO Everaldo Pontes Tavinho Teixeira DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA Marcelo Lordello MONTAGEM Arthur Lins PRODUÇÃO EXECUTIVA Ana Barbara Ramos Cristhine Lucena Ramon Porto Mota DIREÇÃO DE ARTE GigaBrow; Diógenes Mendonça SOM Danilo Carvalho DIRETOR ASSISTENTE Ian Abé

HAMLET de Cristiano Burlan

SINOPSE – A partir do assassinato de seu pai por seu tio, Hamlet é obrigado a enfrentar suas próprias contradições e as do mundo à sua volta. Em uma desconstrução de si mesmo, ele mergulha na eterna questão sobre o sentido da existência. Ambientada numa grande metrópole, Hamlet é uma livre adaptação da tragédia de William Shakespeare. Dirigido por Cristiano Burlan e com Henrique Zanoni no papel do príncipe, HAMLET teve sua estreia nacional em 2015, além de ter sido selecionado pela Prefeitura de São Paulo para ser distribuído em cinemas na cidade.

Cristiano Burlan Nasceu em Porto Alegre em 1975. É diretor de cinema e teatro. Na década de noventa morou em Barcelona, onde dirigiu o grupo de cinema experimental Super-8. Esteve à frente do grupo de teatro paulistano, a Fúria. É professor na Universidade do Estado do Amazonas – UEA e na Academia Internacional de Cinema – AIC. A maior parte de sua filmografia participou de importantes festivais como o Festival de Havana, É Tudo Verdade, Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Málaga, entre outros. Seu documentário mais recente, Mataram meu irmão, foi o grande vencedor do É Tudo Verdade 2013, angariando os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial e da Crítica, também foi vencedor do Prêmio Governador do Estado de São Paulo de 2014 e do 40º Festival Sesc Melhores Filmes. Entre seus principais filmes de ficção estão: Amador, que integrou a 17a Mostra de Cinema de Tiradentes, Sinfonia de Um Homem Só, indicado ao Prêmio Bandeira Paulista na 36ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Corações Desertos, A Espera, Opus Hamlet Machine, Os Solitários e 4:48 AM. Em 2015, começa a filmar Elegia de um Crime, que encerra sua trilogia do luto, iniciada com Construção e Mataram Meu Irmão. Esta em fase de finalização do longa-metragem de ficção Fome, que tem Jean Claude Bernardet como protagonista.

Ficha técnica Direção: Cristiano Burlan. Roteiro: Cristiano Burlan e Henrique Zanoni. Distribuição: Bela Filmes Gênero: Drama. Cor: Preto e branco. Duração: 90 minutos. Codistribuição: Spcine Produção: Bela Filmes. Produção Executiva: Simone Paz e Mariana Lamberti de Abreu. Diretora de produção: Mariela Lamberti de Abreu. Fotografia: Rafael Nobre. Montagem: Grace Pinto e Pedro Leite. Elenco: Henrique Zanoni, Jean-Claude Bernardet, Ana Carolina MarinhoLuiz Fernando Resende, Suia Legaspe, Paulo Bordhin, Gustavo Canovas, Eduardo Bordinhon e Rejane Arruda. Trilha Sonora: Guilherme Garbato e Gustavo Garbato.

Sessão única de Sem Dentes: Banguela Records e a Turma de 94




Nesta sexta-feira, 31 de julho, às 20h30, acontece na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) a sessão única do filme Sem Dentes: Banguela Records e a Turma de 94, de Ricardo Alexandre. A exibição do documentário sobre o selo que lançou bandas como Raimundos e Mundo Livre S/A é uma promoção da rádio web Mínima FM. A entrada é franca.  

O release:

Que o ano de 1994 foi especial, ninguém tem dúvida. Foi o ano da estréia dos Raimundos e de Chico Science & Nação Zumbi, o ano em que o Skank lançou Calango para mais de um milhão de compradores, o ano de festivais independentes como Juntatribo, Abril pro Rock e Superdemo, o ano em que revistas e fanzines, programas de rádio e televisão construíram uma cena renovada e forte, o ano em que bandas como Mundo Livre S/A, Planet Hemp e Pato Fu entraram em estúdio para marcar para sempre a história da música pop nacional. Se tudo isso já era sabido, com o lançamento de Sem dentes: Banguela Records e a Turma de 94, novo filme do jornalista Ricardo Alexandre, a história dessa inesquecível geração pode ser finalmente compreendida e celebrada de forma muito mais clara.

O eixo central do filme, como seu nome diz, é a história do Banguela Records, um selo independente criado pelos Titãs ao lado do produtor Carlos Eduardo Miranda, com financiamento e distribuição da gravadora Warner Music. O Banguela teve história curta e marcante, lançando, entre outros, os Raimundos (o primeiro disco de ouro de um selo indie no Brasil), Mundo Livre S/A, Little Quail & The Mad Birds, Maskavo Roots e Graforreia Xilarmônica, além do projeto paralelo dos titãs Branco Mello e Sergio Britto, o barulhentíssimo trio Kleiderman. Ali também se cristalizou a identidade musical daquela geração: o cruzamento de influências brasileiras processadas com o que de mais moderno se fazia no rock internacional. E por suas salas passaram quadrinistas, ilustradores, jornalistas, grafiteiros, produtores de shows e malucos em geral, que criaram a geração “mais original, mais rica que o Brasil havia tido até então”, nas palavras de Miranda.

Desde março de 2014 quando começou a ser rodado, a equipe de Sem dentes fez mais de 20 entrevistas com músicos, produtores, jornalistas e gente que construiu a história do selo e da geração do início dos anos 1990. Imagens raras e inéditas misturam-se a vídeos clássicos da época compondo um mosaico revelador, divertido, informativo e emocionante.
Sem dentes é o quarto documentário do jornalista Ricardo Alexandre, ex-diretor de redação das revistas Bizz, Trip e Época São Paulo, Prêmio Jabuti 2010 pela biografia Nem vem que não tem: A Vida e o Veneno de Wilson Simonal. Além de dirigir o filme, Ricardo assina o roteiro ao lado do também jornalista Alexandre Petillo (diretor do curta As Pulgas da Condessa e autor dos livros A Ira de Nasi e Curtindo Música Brasileira). Veteranos do jornalismo musical brasileiro, os dois se valeram da grande intimidade com os entrevistados e da fartura de material colhido para imprimir um ritmo ágil ao filme. Outra preocupação da dupla desde o início foi fugir tanto quanto possível do tom saudosista que um trabalho como Sem dentes poderia ter. “Estamos muito satisfeitos que todo o filme aponte para o presente e para o futuro, para o que está sendo feito de bom hoje, e use as lições da turma de 1994 como um incentivo para quem quiser revolucionar tudo de novo”, diz Ricardo Alexandre.

O serviço:
Sem dentes: Banguela Records e a Turma de 94
Quando: sexta-feira, 31/07, 20h30min
Onde: Sala de Cinema PF Gastal, terceiro andar da Usina do Gasômetro (Av. Pres. João Goularte, 551 – Centro, Porto Alegre)
Quanto: entrada gratuita; as senhas serão distribuídas 15min antes da sessão.
Promoção: Mínima FM


SEM DENTES: BANGUELA RECORDS E A TURMA DE 94. Documentário/musical. 121 minutos. Direção: Ricardo Alexandre. Roteiro: Ricardo Alexandre e Alexandre Petillo. Edição: André Pires, Fabio Tintim, Felipe Boy, Rafael Rezende. Produção executiva: Nadia Pontes, Erick Miranda, Alexandre Petillo. Direção de arte: Eduardo Oikawa e Erick Miranda. Fotografia: André Pires. Com: Carlos Eduardo Miranda, Charles Gavin, Dado Villa-lobos, André Forastieri, Fred 04, Gastão Moreira, Fernanda Takai, Nando Reis, Samuel Rosa, Pena Schmidt e outros.


domingo, 26 de julho de 2015

Sessão Plataforma exibe filme sobre protestos na Ucrânia



Na próxima terça feira, 28 de julho, às 20h30, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), acontece a décima sétima edição da Sessão Plataforma, com a exibição de Maïdan, dirigido por Sergei Loznitsa. Com projeção digital em alta definição, o filme terá única reprise no sábado, 01 de agosto, às 19h. O preço do ingresso é R$ 4,00.

Sobre o filme: de novembro de 2013 a março de 2014, a Praça da Independência, em Kiev, foi palco do movimento social onde cidadãos de todas as classes se reuniram para protestar contra o governo do presidente ucraniano Víktor Yanukovich. O diretor Sergei Loznitsa acompanhou todo o progresso dos protestos que tiveram a praça como cenário, das manifestações pacíficas que reuniram meio milhão nas ruas às sangrentas batalhas entre manifestantes e policiais, até a derrocada final de Yanukovich, que se viu obrigado a renunciar ao cargo em março.

Sergei Loznitsa estreou MAÏDAN no Festival de Cannes de 2014, onde também havia estreado seus dois elogiados longas de ficção, MY JOY (Minha Felicidade, 2010) e IN THE FOG (Na Neblina, 2012), ambos estreados comercialmente no Brasil. MAÏDAN segue sem distribuição no país e foi exibido apenas no Festival do Rio e Janela Internacional de Cinema de Recife.

Loznitsa nasceu em 1964 na Bielorrússia, na antiga União Soviética. Formou-se em matemática em Kiev e trabalhou como tradutor de japonês antes de estudar cinema na VGIK, na Rússia. É diretor de 11 documentários, entre curtas e longas. Minha felicidade, sua primeira incursão na ficção, foi exibido na competição oficial do Festival de Cannes 2010. Na Neblina, seu trabalho seguinte, ganhou o prêmio FIPRESCI na edição de 2012 do mesmo festival.

Serviço:

MAÏDAN dir: Sergei Loznitsa, 134 min, UCR/HOL, 2014.
Sessão 28 de julho (terça) - 20h30
Única reprise 01 de agosto (sábado) - 19h
Local: Sala P. F. Gastal - Usina do Gasômetro
Ingresso: R$ 4,00
Projeção: Bluray com legendas em português
Realização: Tokyo Filmes em parceria com a Coordenação de Cinema e Video da Prefeitura de Porto Alegre.

Sessão Plataforma é uma sessão de cinema, realizada desde agosto de 2013 na cidade de Porto Alegre (RS), que exibe filmes recentes e inédito na cidade, de qualquer nacionalidade, duração e bitola, sem distribuição garantida no Brasil.



GRADE DE HORÁRIOS
28 de julho a 2 de agosto de 2015

28 de julho (terça-feira)
15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano
20:30 – Sessão Plataforma (Maidan, de Sergei Loznitsa)

29 de julho (quarta-feira)
15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano

30 de julho (quinta-feira)
15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano

31 de julho (sexta-feira)
15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Batguano
20:30 – Exibição do documentário Sem dentes: Banguela Records e a Turma de 94, de Ricardo Alexandre

1 de agosto (sábado)
15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet
19:00 – Reprise da Sessão Plataforma (Maidan, de Sergei Loznitsa)

2 de agosto (domingo)
15:00 – Jornada ao Oeste
17:00 – Hamlet


19:00 – Batguano

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Jornada ao Oeste, Hamlet e Batguano em novos horários





Os filmes Jornada ao Oeste, de Tsai Ming-liang, Batguano, de Tavinho Teixeira, e Hamlet, de Cristiano Burlan seguem em exibição naSala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) até o dia 26 de julho. As sessões têm projeção digital em alta definição. O valor do ingresso é de R$ 8,00. 



GRADE DE HORÁRIOS
21 a 26 de julho de 2015

21 de julho (terça-feira)
15:00 – Hamlet
17:00 – Batguano
19:00 – Jornada ao Oeste

22 de julho (quarta-feira)
15:00 – Hamlet
17:00 – Batguano
19:00 – Jornada ao Oeste

23 de julho (quinta-feira)
15:00 – Hamlet
17:00 – Batguano
19:00 – Jornada ao Oeste

24 de julho (sexta-feira)
15:00 – Hamlet
17:00 – Batguano
19:00 – Jornada ao Oeste
20:00 – Projeto Raros (Cuadecuc, Vampir, de Pere Portabella)

25 de julho (sábado)
15:00 – Hamlet
17:00 – Batguano
19:00 – Jornada ao Oeste

26 de julho (domingo)
15:00 – Hamlet
17:00 – Batguano
19:00 – Jornada ao Oeste

JORNADA AO OESTE de Tsai Ming-liang

SINOPSE – Enquanto um homem exausto respira agitado à beira-mar, um monge budista, trajando vestes vermelhas, caminha a um ritmo imperceptível pelas ruas de Marseille, na França. O caminhar lento do monge chama a atenção dos pedestres das ruas movimentadas. A câmera revela pequenos e belos fragmentos da influência que esse caminhante incomum provoca nos habitantes da cidade, até o momento em que o monge ganha, enfim, um discípulo.

Tsai Ming-Liang nasceu em Kuching, na Malásia, em 1957. Mudou para Taiwan, aos 20 anos, para estudar Cinema e Teatro na Chinese Culture University – uma transição que marcou o diretor, que diz não pertencer ou se sentir em casa em nenhum dos dois países. Ming-Liang começou sua carreira como diretor e produtor na TV Taiwanesa, e ganhou destaque na cena cinematográfica ao vencer o Leão de Ouro no Mostra de Veneza, em 1994, com o filme Vive l'Amour. Em 1997, O Rio ganhou o Urso de Prata do Festival de Berlim. Em 2013, Cães errantes recebeu o Prêmio Especial do Júri na Mostra de Veneza. Tsai Ming-Liang é considerado um dos diretores mais importantes em atividade no cinema mundial.

Ficha técnica Direção: Ming-liang Tsai Elenco: Kang-sheng Lee, Denis Lavant Roteiro: Ming-liang Tsai Produção: Frédéric Bellaïche, Vincent Wang Co-produção: Antonin Dedet, Samuel Tronçon Diretor de fotografia: Antoine Héberlé Edição: Lei Zhen Qing Música: Sébastien Mauro Título original: Xi you Ano: 2014 Distribuição brasileira: Zeta Filmes

BATGUANO de Tavinho Teixeira

SINOPSE – Éramos então um só ser duplo vivo transformado com duas cabeças pensando e logo nos tornamos símbolo da perfeição do novo ser em sua máxima evolução e potência e desejo e vontade e expansão e começamos a viajar pelo universo por todas as galáxias divulgando nossa dupla de repentistas punk-rock completos porque a Terra havia ficado pequena demais para nós dois.

Tavinho Teixeira nasceu em 1965 na Paraíba, de lá pra cá desenvolveu atividades nas Artes Cênicas, na Literatura e no Cinema nos mais variados lugares e momentos de sua vida. Firmouse como ator e diretor, chegando a se formar em Interpretação Teatral noCAL, no Rio de Janeiro em 1995. Por essa época foi integrante do grupo teatral “Sarça de Horeb” e trabalhou como ator nas peças: Torturas de Um Coração e AVia Sacra, ambas dirigidas por Almir Telles. Sua trajetória no cinema começou nos anos 90 trabalhando como ator no longa Eu sou o servo, de Eliezer Rolim. Nos anos seguintes deu continuidade ao oficio de ator trabalhando em váriosprojetos, tais como o longa metragem Baptista Virou Máquina ea mini serie de TV A Pedra Do Reino. Em 2011, iniciou sua trajetória como diretor com o longa-metragem Luzeiro Volante, em seguida dirigiu o curta Purpura (2012). Batguano é seu segundo longa metragem. Escreveu os livros de poesia Deus somos nós (1998) e Luzeiro volante (2002)

Ficha Técnica DIREÇÃO E ROTEIRO Tavinho Teixeira Brasil, 4k, 2014, Cor, 74 min, Classificação Indicativa: 18 anos –  ELENCO Everaldo Pontes Tavinho Teixeira DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA Marcelo Lordello MONTAGEM Arthur Lins PRODUÇÃO EXECUTIVA Ana Barbara Ramos Cristhine Lucena Ramon Porto Mota DIREÇÃO DE ARTE GigaBrow; Diógenes Mendonça SOM Danilo Carvalho DIRETOR ASSISTENTE Ian Abé

HAMLET de Cristiano Burlan

SINOPSE – A partir do assassinato de seu pai por seu tio, Hamlet é obrigado a enfrentar suas próprias contradições e as do mundo à sua volta. Em uma desconstrução de si mesmo, ele mergulha na eterna questão sobre o sentido da existência. Ambientada numa grande metrópole, Hamlet é uma livre adaptação da tragédia de William Shakespeare. Dirigido por Cristiano Burlan e com Henrique Zanoni no papel do príncipe, HAMLET teve sua estreia nacional em 2015, além de ter sido selecionado pela Prefeitura de São Paulo para ser distribuído em cinemas na cidade.

Cristiano Burlan Nasceu em Porto Alegre em 1975. É diretor de cinema e teatro. Na década de noventa morou em Barcelona, onde dirigiu o grupo de cinema experimental Super-8. Esteve à frente do grupo de teatro paulistano, a Fúria. É professor na Universidade do Estado do Amazonas – UEA e na Academia Internacional de Cinema – AIC. A maior parte de sua filmografia participou de importantes festivais como o Festival de Havana, É Tudo Verdade, Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Málaga, entre outros. Seu documentário mais recente, Mataram meu irmão, foi o grande vencedor do É Tudo Verdade 2013, angariando os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial e da Crítica, também foi vencedor do Prêmio Governador do Estado de São Paulo de 2014 e do 40º Festival Sesc Melhores Filmes. Entre seus principais filmes de ficção estão: Amador, que integrou a 17a Mostra de Cinema de Tiradentes, Sinfonia de Um Homem Só, indicado ao Prêmio Bandeira Paulista na 36ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Corações Desertos, A Espera, Opus Hamlet Machine, Os Solitários e 4:48 AM. Em 2015, começa a filmar Elegia de um Crime, que encerra sua trilogia do luto, iniciada com Construção e Mataram Meu Irmão. Esta em fase de finalização do longa-metragem de ficção Fome, que tem Jean Claude Bernardet como protagonista.

Ficha técnica Direção: Cristiano Burlan. Roteiro: Cristiano Burlan e Henrique Zanoni. Distribuição: Bela Filmes Gênero: Drama. Cor: Preto e branco. Duração: 90 minutos. Codistribuição: Spcine Produção: Bela Filmes. Produção Executiva: Simone Paz e Mariana Lamberti de Abreu. Diretora de produção: Mariela Lamberti de Abreu. Fotografia: Rafael Nobre. Montagem: Grace Pinto e Pedro Leite. Elenco: Henrique Zanoni, Jean-Claude Bernardet, Ana Carolina MarinhoLuiz Fernando Resende, Suia Legaspe, Paulo Bordhin, Gustavo Canovas, Eduardo Bordinhon e Rejane Arruda. Trilha Sonora: Guilherme Garbato e Gustavo Garbato.