sábado, 29 de março de 2014

O Estranho Caso de Angélica estreia na Sala P. F. Gastal




Um dos filmes mais elogiados dos últimos tempos, O Estranho Caso de Angélica, do cineasta português Manoel de Oliveira, entra em cartaz na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) a partir desta terça, 01 de abril, com exibições em 35mm. O documentário Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula, também permanece na programação.

Na Portugal da década de 1950, o fotógrafo Isaac (Ricardo Trêpa) vai à região do Douro para documentar antigos métodos de trabalho nas vinhas. Hospedado numa pequena pensão, ele é acordado subitamente à noite para fotografar o corpo de Angélica (Pilar López de Ayala), uma linda moça que acabara de falecer. Quando realizou O Estranho Caso de Angélica, Manoel de Oliveira já havia passado dos 100 anos – hoje, aos 105, continua produzindo e promete um novo filme para 2014.

Especialmente depois dos anos 2000 – o olhar oliveiriano em relação à morte se torna cada vez mais particular, com a companhia costumeira de um senso de humor desconcertante. Ao colocar a imagem como horizonte poético de sua obra, Oliveira acentua em O Estranho Caso de Angélica o lirismo de obras-primas anteriores sobre o tema como Vou Para Casa (2001) e O Espelho Mágico (2005)

Segundo o crítico Filipe Furtado, em crítica publicada na revista Cinética, “há toda uma afirmação de fé cinematográfica contida neste seu salto romântico no escuro. Afirmação esta que se bifurca ao longo do filme de múltiplas maneiras, seja na forma com que as excentricidades particulares de cada coadjuvante (a empregada, o mendigo, os habitantes da pensão) ajudam a constituir este mundo próprio, seja na forma como os sonhos e pesadelos de Isaac remetam ao mesmo tempo a Cocteau e Méliès”.


O Estranho Caso de Angélica
Direção: Manoel de Oliveira
(Portugal/Espanha/França/Brasil, 97 minutos, 2010)
Elenco: Pilar López de Ayala, Filipe Vargas, Carmen Santos, Ricardo Trêpa
Exibição em 35mm


GRADE DE HORÁRIOS
1 a 6 de abril de 2014

1 de abril (terça-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

2 de abril (quarta-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

3 de abril (quinta-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

4 de abril (sexta-feira)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

5 de abril (sábado)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Estranho Caso de Angélica

6 de abril (domingo)

15:00 – O Estranho Caso de Angélica
17:00 – Revelando Sebastião Salgado

19:00 – O Estranho Caso de Angélica

segunda-feira, 24 de março de 2014

SESSÃO PLATAFORMA ESTÁ DE VOLTA

A primeira Sessão Plataforma de 2014 acontece nesta terça-feira, 25 de março, às 20h30, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), com reprise no sábado, 29 de março, às 17h30. Na ocasião, será apresentado o filme alemão A Doença do Sono, de Ulrich Köhler, premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim de 2011. A exibição é em 35mm, com legendas eletrônicas em português, numa realização conjunta com o Goethe-Institut.

Ebbo e Vera Velten moram há muito tempo na África, onde ele coordena um programa para pessoas que sofrem de transtornos do sono. Seu trabalho lhe basta. Mas Vera sente-se cada vez mais desconfortável com a vida na comunidade exilada de Yaounde e com a distância da filha Helen, de 14 anos, que estuda na Alemanha. Para não perder a mulher que ama, Ebbo precisa desistir de sua vida na África. Mas ele se torna um estranho na Europa, e seu medo de voltar aumenta com o passar dos dias. Anos depois, Alex Nzila, um jovem médico francês de origem congolesa, viaja a Camarões para avaliar o desenvolvimento de um projeto. Lá, em vez de encontrar novas ideias, ele se depara com um homem perdido e destrutivo. Como um fantasma, Ebbo se afasta de seu avaliador.
A Doença do Sono (Schlafkrankheit)
dir: Ulrich Köhler, 91min, ALE/FRA/HOL, 2011.

- 61ª Berlinale - Berlin International Film Festival - Competição Oficial. Prêmio Urso de Prata (Melhor Diretor)
- 49º New York Film Festival.
- 55º BFI London FIlm Festival.
- CPH:PIX 2011.
- 13º BAFICI 2011.
25 de março, 20:30hrs, exibição em 35mm com legendas eletrônica em português.
 Reprise única: 29 de março, 17:30hrs.

domingo, 23 de março de 2014

APTC2014 apresenta filmes e debates sobre produções do RS





Comemorando a semana de Porto Alegre, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) promove em parceria com a APTC, entre os dias 27 e 30 de março, uma mostra dedicada a produções que marcaram o audiovisual gaúcho no último ano. Entre curtas e longas, serão apresentados 28 filmes, incluindo ficções, documentários e produções para a televisão. Além da mostra de filmes, a APTC2014 também realiza uma série de debates colocando em discussão as características e os rumos das produções do estado, sem distinção de gênero ou formato. A entrada para toda a programação é gratuita.

De sexta a domingo, sempre às 20h30, acontecem os três debates programados na mostra APTC2014: a mesa 1: RS e o exterior, dia 28, com a participação de profissionais do audiovisual gaúcho que tiveram experiências importantes em festivais internacionais; a mesa 2: fora do fora do eixo, dia 29, com realizadores que se destacam produzindo no interior do estado; e a mesa 3: perspectivas, dia 30, com realizadores de diferentes gerações debatendo as questões estéticas e temáticas do cinema realizado hoje no RS, além das particularidades da produção local, tendo como referência os lançamentos prometidos para 2014.  Os nomes dos integrantes das mesas e dos mediadores serão divulgados em breve.   
 
A Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul - APTC/ABD-RS - trabalha desde 1985 buscando a consolidação do audiovisual do estado, atuando como porta-voz dos realizadores gaúchos junto ao poder público e à iniciativa privada.






GRADE DE PROGRAMAÇÃO
27 a 30 de março de 2014

DaLua Downhill, de Rodrigo Pesavento, Fernanda Franke Krumel e Tiago De Castro (2013, 88 minutos)
A jornada de Douglas Rodrigues da Silva, o Dalua, em busca do título mundial de “Skate Downhill” - um dos esportes mais radicais do mundo, onde os skatistas descem ladeiras em velocidades superiores a 110 Km/h. Durante 2 anos, o filme acompanha o atleta brasileiro em suas viagens ao redor do mundo, revelando que, para além das competições, existe uma história de garra, paixão, pressão e dor. Amizade e rivalidade despertam sentimentos conflituosos entre os atletas. Afinal, o que os une, também os separa.

Simone, de Juan Zapata (2013, 76 minutos)
Após anos de relacionamentos com outras mulheres, SIMONE decidiu estar com um homem pela primeira vez. Baseado em uma história real, o longa-metragem mistura a linguagens documental e ficcional, jogando com a criação cênica e a montagem, criando um universo único, particular e íntimo. SIMONE é um filme que questiona o conceito de liberdade sexual.

Mais uma Canção, de Rene Goya Filho (2013, 100 minutos)
Documentário sobre Bebeto Alves, um dos nomes mais consagrados da música popular gaúcha. Investigando as raízes da milonga, gênero que ultrapassa fronteiras, Bebeto viaja da Península Ibérica ao norte da África, provocando discussões a respeito do velho embate entre música periférica e mainstream.

Dyonélio, de Jaime Lerner (2013, 70 minutos)
O documentário retrata a vida do político, psiquiatra e escritor Dyonélio Machado, que já foi perseguido por suas ideias consideradas comunistas. O filme mistura passagens da vida do artista com trechos de suas obras, como os romances "Os Ratos" e "O Louco do Cati".

Cinco Maneiras de Fechar os Olhos, de Abel Roland, Emiliano Cunha, Amanda Copstein, Filipe Matzembacher e  Gabriel Motta Ferreira (2012, 77 minutos)
Quatro pessoas tiram suas máscaras após a morte de uma jovem. A fábula de uma raposa que encontrou um coelho.

Xico Stockinger, de Frederico Mendina (2013, 86 minutos)
Xico Stockinger migra para o Brasil após a I Guerra Mundial. Seu sonho é se tornar piloto de avião, mas sua origem austríaca o proíbe de concluir o curso quando o Brasil ingressa na II Guera Mundial. Inicia como aprendiz do artista Bruno Giorgi, quando abraça um novo sonho: a arte. A inabalável capacidade criativa de Xico ao longo da vida repercutiu entre seus contemporâneos e ainda ecoa na sociedade. “Xico Stockinger” mostra sua história, entremeada por eventos históricos, suas técnicas e suas obras. Um filme documentário sobre a importância da perseverança, sobre a necessidade de realização pessoal.

O Liberdade, de Cíntia Langie e Rafael Andreazza (2012, 71 minutos)
O documentário musical O Liberdade conta a história de um bar muito peculiar: durante o dia funciona como restaurante popular e atende a um público de agricultores de origem alemã e à noite transforma-se no reduto da música mais genuinamente brasileira: o choro.

PROGRAMA CURTAS 1

•Um Diálogo de Ballet (Filipe Matzembacher e Márcio Reolon, 8 min)
•Linda, um História Horrível (Bruno Barreto, 20 min)
•Ed (Gabriel Garcia, 14 min)
•A Princesa (Rafael Duarte e Taísa Ennes Marques, 20 min)
•O Matador de Bagé (Felipe Iesbick, 15 min)
•Coisas que POA Fala no Churrasco (Marco Carvalho, 3 min)


PROGRAMA CURTAS 2

•Férias (Iuli Gerbase, 9 min)
•Tomou Café e Esperou (Emiliano Cunha, 13 min)
•Codinome Beija-Flor (Higor Rodrigues, 20 min)
•O Homem que Conserta Estrelas (Denise Marchi, 15 min)
•As Memórias do Vovô (Cíntia Langie, 19 min)


PROGRAMA CURTAS 3

•27 Corações (Cris Aldreyn, 15 min)
•Davi e os Aviões (Pedro Achilles, 12 min)
•Kassandra (Ulisses da Motta Costa, 24 min)
•Fantasmas da Cidade (Daniel de Bem, 24 min)


PROGRAMA CURTAS 4

•Coisas que POA Fala na Praia (Marcos Carvalho, 3 min)
•Trique Trique (Vicente Schereder, 14 min)
•Os Filmes estão Vivos (Fabiano de Souza e Milton do Prado, 25 min)
•Libertadores (Gabriel Rubim, 13 min)
•Ruído Branco (Lucas Sá e Mateus Neiss, 7 min)
•Amores Passageiros (Augusto Canani, 24 min)









GRADE DE HORÁRIOS
27 a 30 de março de 2014


27 de março (quinta)
14:00 – DaLua Downhill (88)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Simone (76)
19:00 – Coquetel de abertura da mostra APTC2014
20:00 – Programa de curtas 1

28 de março (sexta)
14:00 – Mais uma Canção (100)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Dyonélio (70)
19:00 – Programa de curtas 2 (80 minutos)
20:30 – Mesa 1: O RS e o exterior

29 de março (sábado)
14:00 – Cinco Maneiras de Fechar os Olhos (77)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Sessão Plataforma: A Doença do Sono (90)
19:00 – Programa de curtas 3
20:30 – Mesa 2: Fora do fora do eixo

30 de março (domingo)
14:00 – Xico Stockinger (86)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – O Liberdade (71)
19:00 – Programa de curtas 4
20:30 – Mesa 3:  Perspectivas


Revelando Sebastião Salgado permanece em cartaz






O documentário Revelando Sebastião Salgado, dirigido por Betse de Paula, permanece em cartaz na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) até domingo, dia 30 de março, com horários detalhados abaixo. O ingresso custa 6 reais, com meia entrada para estudantes e idosos.  

Revelando Sebastião Salgado é o primeiro documentário brasileiro sobre um dos mais importantes e mais respeitados fotógrafos contemporâneos, reconhecido por seu estilo único de fotografar. O documentário busca entender e revelar o universo e a personalidade do fotógrafo Sebastião Salgado, que saiu de uma pequena cidade no interior de Minas Gerais e ganhou o mundo.

O fio condutor é uma entrevista realizada em fevereiro de 2012, em Paris, onde o fotógrafo vive. Durante a conversa, foram abordadas questões como o início de sua carreira como fotógrafo, a importância do fotojornalismo – ele conta histórias de coberturas importantes, como a célebre foto do atentado ao presidente Reagan –, a mudança para Paris, a utilização do preto e branco como suporte preferencial, a escolha dos temas, a transição para o digital, e, finalmente, como é ser um dos principais fotógrafos do mundo. No estúdio do artista, foram registradas diversas etapas de seu processo criativo, desde o envolvimento com as pessoas retratadas até a imersão no universo a ser revelado.

O filme revela, ainda, a intimidade de “Tião” - como Salgado é carinhosamente chamado pelos mais próximos - em casa, entre seus quadros e livros. Ele conta aspectos da rotina pessoal e de trabalho, bem como da vida em família, ao lado da esposa Lélia e do filho Rodrigo, artista plástico portador de Síndrome de Down.

Revelando Sebastião Salgado foi selecionado pelo edital para Produção de Documentários para TV por Assinatura, uma parceria entre a RioFilme e a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e o Canal Brasil. O documentário foi produzido em associação com as produtoras Mapa Filmes e Raiz Forte.



GRADE DE HORÁRIOS
25 a 30 de março de 2014

  

25 de março (terça)
14:00 – Revelando Sebastião Salgado
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
18:00 – Revelando Sebastião Salgado
20:30 – Sessão Plataforma (A Doença do Sono)

26 de março (quarta)
14:00 – Revelando Sebastião Salgado
16:00 – Revelando Sebastião Salgado
18:00 – Revelando Sebastião Salgado
20:00 – Lançamento de Terraqueos, de Frederico Ruas

27 de março (quinta)
14:00 – DaLua Downhill (88)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Simone (76)
19:00 – Coquetel de abertura da mostra APTC2014
20:00 – Programa de curtas 1

28 de março (sexta)
14:00 – Mais uma Canção (100)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Dyonélio (70)
19:00 – Programa de curtas 2 (80 minutos)
20:30 – Mesa 1: O RS e o exterior

29 de março (sábado)
14:00 – Cinco Maneiras de Fechar os Olhos (77)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – Sessão Plataforma: A Doença do Sono (90)
19:00 – Programa de curtas 3
20:30 – Mesa 2: Fora do fora do eixo

30 de março (domingo)
14:00 – Xico Stockinger (86)
16:00 – Revelando Sebastião Salgado (75)
17:30 – O Liberdade (71)
19:00 – Programa de curtas 4
20:30 – Mesa 3:  Perspectivas

sábado, 22 de março de 2014

Experiência com material encontrado na internet, Terraqueos ganha lançamento na Sala P. F. Gastal




Nesta quarta-feira, 26 de março, às 20h, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro promove o lançamento do longa-metragem Terraqueos – vestígios de uma era digital, experiência audiovisual construída com material da internet, realizada por Frederico Ruas e produzida pela Anti Filmes. A entrada é franca. 

Terraqueos é uma obra audiovisual construída integralmente por material encontrado na internet. Caleidoscópio humano, retrato de uma civilização onde todos são, ao mesmo tempo, produtores e receptores de conteúdo. Os registros que produzimos sobreviverão por muito mais tempo do que nós mesmos. "TERRAQUEOS – vestígios de uma era digital" é uma oferenda ao futuro, é uma homenagem ao presente que rapidamente se transforma em passado.


TERRAQUEOS - vestígios de uma era digital (2014)
CONCEPÇÃO, PESQUISA E MONTAGEM: Frederico Ruas
PRODUÇÃO EXECUTIVA: Pedro Guindani
ASSISTÊNCIA DE PRODUÇÃO: Gabriela Amadori
DESENHO DE SOM / TRILHAS: Gustavo Foppa

Uma realização: Anti Filmes

Financiamento:
FAC/RS - Fundo de Apoio à Cultura do Rio Grande do Sul.

Duração: 87min
Classificação: 18 anos.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Filme alemão na primeira Sessão Plataforma do ano


A primeira Sessão Plataforma de 2014 acontece nesta terça-feira, 25 de março, às 20h30, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), com reprise no sábado, 29 de março, às 17h30. Na ocasião, será apresentado o filme alemão A Doença do Sono, de Ulrich Köhler, premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim de 2011. A exibição é em 35mm, com legendas eletrônicas em português, numa realização conjunta com o Goethe-Institut. O ingresso custa 3 reais.

Ebbo e Vera Velten moram há muito tempo na África, onde ele coordena um programa para pessoas que sofrem de transtornos do sono. Seu trabalho lhe basta. Mas Vera sente-se cada vez mais desconfortável com a vida na comunidade exilada de Yaounde e com a distância da filha Helen, de 14 anos, que estuda na Alemanha. Para não perder a mulher que ama, Ebbo precisa desistir de sua vida na África. Mas ele se torna um estranho na Europa, e seu medo de voltar aumenta com o passar dos dias. Anos depois, Alex Nzila, um jovem médico francês de origem congolesa, viaja a Camarões para avaliar o desenvolvimento de um projeto. Lá, em vez de encontrar novas ideias, ele se depara com um homem perdido e destrutivo. Como um fantasma, Ebbo se afasta de seu avaliador.


A Doença do Sono (Schlafkrankheit)
dir: Ulrich Köhler, 91min, ALE/FRA/HOL, 2011.

- 61ª Berlinale - Berlin International Film Festival - Competição Oficial. Prêmio Urso de Prata (Melhor Diretor)

- 49º New York Film Festival.

- 55º BFI London FIlm Festival.

- CPH:PIX 2011.

- 13º BAFICI 2011.




25 de março, 20h:30, exibição em 35mm com legendas eletrônica em português.
Reprise única: 29 de março, 17h:30.




 
Em Julho de 2013, a PLATAFORMA foi criada pela Tokyo Filmes e Livre Associação, impulsionados por uma vontade de arejar o cenário cultural e cinematográfico gaúcho, aproximar realizadores locais, dividir experiências em outros eventos internacionais e trabalhar para a inserção do Rio Grande do Sul no circuito internacional que hoje pensa e atua na hibridização e horizontalização dos mecanismos e formas de realização. Acima de tudo, uma vontade dos realizadores destas duas produtoras de estreitar relações com cineastas e cinematografias de outras cidades, estados ou países.
Em agosto de 2013, iniciou a SESSÃO PLATAFORMA realizada em parceria com a Coordenação de Cinema e Vídeo da Secretaria de Cultura de Porto Alegre e exibiu mensalmente ao longo do segundo semestre na Sala PF Gastal 07 filmes inéditos na cidade oriundos de diferentes países do mundo e com raras exibições anteriores no Brasil. Obras que estrearam nos principais festivais internacionais como Cannes, Berlin, Locarno, Rotterdam e Veneza , mas que  infelizmente não haviam conseguido espaço merecido no circuito exibidor da cidade. Entre os filmes, destaque para THE ACT OF KILLING de Joshua Oppenheimer, ROOM 237 de Rodney Ascher, BESTIAIRE de Denis Côté e AVANTI POPOLO de Michael Wahrmann.




quinta-feira, 20 de março de 2014

PRE-ESTREIA DE SEMPRE PARTIR


Nesta sexta-feira, dia 21 de março, às 21 horas, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro recebe a pré-estreia do filme Sempre Partir, dirigido por Leonardo Remor. Utilizando técnicas do cinema documentário para realizar uma ficção, o filme acompanha a rotina de um circo pelo olhar de Rose (Sissi Betin Venturin), uma trapezista que vê na vida dos outros a possibilidade de uma nova vida. Sempre Partir surge de uma vivência da equipe no tradicional Planet Circus. No elenco, Sissi Betina Venturin, Zé da Terreira e os artistas circenses da Família Bonaldo. O filme é produzido pela Contorno (http://www.contorno.me) e financiado pelo FUMPROARTE. Senhoras, senhores e crianças - o circo chegou! Classificação livre e entrada franca.



Ficha técnica:
duração 25 minutos 
35 mm
elenco Sissi Betina Venturin, Zé da Terreira, Diogo Bolando, Sebastian Primo Bonaldo, Cristian Bonaldo, Vanessa Bonaldo, Leonardo Bonaldo, Josué de Lima, Camila Esteves, Sarah de Lima Bonaldo, Gabriel de Lima Bonaldo, Darah Bonaldo, Rihan Cunha Cordeiro e Vitória de Souza Veloso
direção Leonardo Remor
ass. de direção Daniel Eizirik
argumento Daniel Eizirik e Leonardo Remor
roteiro Daniel Eizirik, Germano de Oliveira e Leonardo Remor
direção de fotografia Leonardo Remor e Marco Antônio Nunes
direção de arte Anna Carolina Oliveira
montagem Daniel Eizirik e Germano de Oliveira
finalização de imagem Tyrell Spencer
correção de cor Lígia Tiemi Sumi
desenho de som e mixagem Tiago Bello
edição de efeitos sonoros Marcos Lopes
artista de foley Augusto Stern
gravação de foley Fernando Efron
som direto Cristiano Oliveira e Marcos Lopes
preparação de trapézio Elsa Wolf Hohle e Roberta Alfaya
produção executiva Leonardo Remor
produção e distribuição Contorno
apoio Cinecolor Digital, Gogó Conteúdo Sonoro, Galo de Briga Filmes, Besouro Filmes, Meme Santo de Casa, Atelier de Massas, Pâtissier e Sharin

domingo, 16 de março de 2014

Novidades na segunda semana da mostra Respeitável Público!


Entre os dias 18 e 23 de março, acontece a segunda semana da mostra Respeitável Público! na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar). Além de clássicos de Charlie ChaplinHenry HathawayLouis Malle e Cecil B. De Mille, entre os destaques da programação estão a pré-estreia de Sempre Partir, de Leonardo Remor, na sexta-feira, 21 de março, às 21h, e o programa especial no sábado, às 20h, com um curta documental de Sluchem Cherem e Tiago MonteiroItinerante Retorno, e videos da dançarina e acrobata Raquel Karro, artista com participação em espetáculos da Intrépida Trupe e do Cirque du Soleil.


 
A mostra Respeitável Público! celebra a 1ª edição do Festival de Circo de Porto Alegre, produzida pelo SATED/RS, Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do RS, em conjunto com a Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre e tem o apoio da distribuidora MPLC e da locadora E o Vídeo Levou.






GRADE DE HORÁRIOS
18 a 23 de março de 2014

18 de março (terça)
15:00 – 7 Faces do Dr. Lao, de George Pal
17:00 – O Mundo do Circo, de Henry Hathaway
20:00 – Lançamento Revelando Sebastião Salgado e debate com a diretora Betse de Paula

19 de março (quarta)
15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Circo, de Charlie Chaplin
19:00 – Lançamento de Por Onde Passeiam Tempos Mortos, de Felipe Diniz

20 de março (quinta)
15:00 – O Circo do Medo, de James Edward Grant
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – O Mundo do Circo, de Henry Hathaway

21 de março (sexta)
15:00 – Zouzou, de Marc Allégret
17:00 – 7 Faces do Dr. Lao, de George Pal
19:00 – Revelando Sebastião Salgado
21:00 – Sessão de pré-lançamento de Sempre Partir, de Leonardo Remor

22 de março (sábado)
15:00 – Revelando Sebastião Salgado
17:00 – O Maior Espetáculo da Terra, de Cecil B. DeMille
20:00 – Itinerante Retorno + videos de Raquel Karro

23 de março (domingo)
15:00 – O Circo do Medo, de James Edward Grant
17:00 – Revelando Sebastião Salgado
19:00 – Viva Maria!, de Louis Malle




quinta-feira, 13 de março de 2014

Betse de Paula vem a Porto Alegre lançar Revelando Sebastião Salgado




Nesta terça-feira, 18 de março, às 20h, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) lança com exclusividade o documentário Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula. Na ocasião, a diretora estará presente para debater com o público o filme que dedicou a Salgado. Porto Alegre será a primeira cidade a exibir o documentário, que teve sua estreia no Festival de Cinema de Gramado de 2013. A partir de quarta-feira, 19 de março, o filme entra em cartaz na Sala P. F. Gastal com uma sessão diária, em horários. A sessão de lançamento do filme tem entrada franca.   

Revelando Sebastião Salgado é o primeiro documentário brasileiro sobre um dos mais importantes e mais respeitados fotógrafos contemporâneos, reconhecido por seu estilo único de fotografar. O documentário busca entender e revelar o universo e a personalidade do fotógrafo Sebastião Salgado, que saiu de uma pequena cidade no interior de Minas Gerais e ganhou o mundo.

O fio condutor é uma entrevista realizada em fevereiro de 2012, em Paris, onde o fotógrafo vive. Durante a conversa, foram abordadas questões como o início de sua carreira como fotógrafo, a importância do fotojornalismo – ele conta histórias de coberturas importantes, como a célebre foto do atentado ao presidente Reagan –, a mudança para Paris, a utilização do preto e branco como suporte preferencial, a escolha dos temas, a transição para o digital, e, finalmente, como é ser um dos principais fotógrafos do mundo. No estúdio do artista, foram registradas diversas etapas de seu processo criativo, desde o envolvimento com as pessoas retratadas até a imersão no universo a ser revelado.

O filme revela, ainda, a intimidade de “Tião” - como Salgado é carinhosamente chamado pelos mais próximos - em casa, entre seus quadros e livros. Ele conta aspectos da rotina pessoal e de trabalho, bem como da vida em família, ao lado da esposa Lélia e do filho Rodrigo, artista plástico portador de Síndrome de Down.

Revelando Sebastião Salgado foi selecionado pelo edital para Produção de Documentários para TV por Assinatura, uma parceria entre a RioFilme e a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e o Canal Brasil. O documentário foi produzido em associação com as produtoras Mapa Filmes e Raiz Forte.



Titulo original: REVELANDO SEBASTIÃO SALGADO
Titulo em inglês: Sebastião Salgado
Categoria: Documentário
Ano: Duração: 75 min
Imagem: Cor
Idioma: Português
Direção: Betse de Paula
Roteiro: Betse de Paula e Juliano Salgado
Direção de Fotografia: Jacques Cheuiche, abc
Trilha Sonora Original: Naná Vasconcelos
Montagem: Dominique Pâris
Edição de som: Virgínia Flores
Arte:Flavio Soares
Assistente de direção: Gabriela Lins e Silva
Produtora associada e Still: Vera de Paula
Produção executiva: Patrícia Chamon
Imagem: Jacques Cheuiche, abc; Juliano Salgado, Bacco Andrade, Betse de Paula
Som direto: Juliano Salgado
Mixagem: Alexandre Jardim
Desenho de finalização: Dirceu Lustosa
Finalização: Tao Buriti e Mario Caillaux
Produtores associados: Mapa Filmes e Raiz Forte
Coprodução: Rio Filme e Canal Brasil




terça-feira, 11 de março de 2014

GENESIS, DE SEBASTIÃO SALGADO, NA USINA DO GASÔMETRO



Tipicamente, as mulheres da povoação zo’é Towari Ypy usam o urucum (Bixa orellana), 
o fruto vermelho do urucueiro, para colorir seus corpos. Também o usam para cozinhar.
Pará,  Brasil. 2009
Com patrocínio do Banrisul, o Ministério da Cultura, o 7º FestFoto – Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre e a Prefeitura de Porto Alegre, através da sua Secretaria Municipal da Cultura, apresentam Genesis, de Sebastião Salgado. A exposição abre no dia 13 de março, às 19h, na Usina do Gasômetro, com a presença do autor. O evento é aberto ao público.
Salgado permanece em Porto Alegre até o dia 14, para uma palestra gratuita e aberta ao público no Salão de Atos da UFRGS, às 10h, e para receber o título de Cidadão Porto Alegrense em Sessão Solene na Câmara dos Vereadores. Na ocasião, será concedido o título de Honra ao Mérito a Lélia Wanick Salgado, que assina a curadoria de Genesis. O evento está marcado para as 15h.
Ainda no dia 18 de março, às 20h, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) lança com exclusividade o documentário Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula. Na ocasião, a diretora Betse de Paula estará presente, para debater com o público o filme que dedicou a Salgado. Porto Alegre será a primeira cidade a exibir o documentário, que teve sua estreia no Festival de Cinema de Gramado de 2013.


Mais sobre Genesis


Uma jornada às paisagens terrestres e aquáticas, às pessoas e os animais que permaneceram intocados, preservados do mundo acelerado dos nossos dias. Um testemunho de que nosso planeta ainda abriga vastas e remotas regiões onde a natureza reina em silenciosa e imaculada majestade.
Na obra de Sebastião Salgado, este é o terceiro mergulho de longa duração em questões globais. Trabalhadores (1986-1992) e Êxodos (1994-1999) – esta última apresentada na Usina do Gasômetro em 2000 – retrataram as duras consequências das radicais mudanças econômicas e sociais sobre as vidas humanas. Desta vez, ele trata do nosso ambiente natural, mas, ao invés de colocar os holofotes nas consequências da poluição e das alterações climáticas sobre a terra, o mar e o ar, Salgado nos oferece um poema de amor, com imagens que exaltam a majestade e a fragilidade do nosso planeta, retratando a beleza deslumbrante de um mundo “perdido” que de alguma maneira ainda sobrevive. E esta beleza proclama: isso é o que está em perigo, isso é o que devemos salvar.

As 245 fotografias, divididas em cinco seções geográficas, revelam maravilhas que permanecem imunes à aceleração da vida moderna – montanhas, desertos, florestas, tribos, aldeias, animais –, imagens que o fotógrafo brasileiro radicado em Paris registrou entre 2004 e 2011.

Foram mais de 30 viagens a regiões remotas do globo – a maioria delas, inóspita e de dificílimo acesso, envolvendo aviões de pequeno porte, helicópteros, barcos e canoas, longas caminhadas em terrenos difíceis e enfrentando extremos de temperatura.

O conjunto das imagens foi dividido em cinco seções geográficas, organizadas em ecossistemas, que formam os núcleos da exposição. É uma maneira de vislumbrar o funcionamento da natureza.


Planeta Sul


Da Antártica surgem as paisagens congeladas e seus destemidos animais, como pinguins, leões marinhos e baleias, fotografados inclusive em sua zona de reprodução na Península Valdés. Também estão nessa seção imagens do Sul da Georgia, as Falklands/Malvinas, o arquipélago Diego Ramirez e as Ilhas Sandwich, onde vivem as numerosas espécimes de albatrozes, petréis-gigantes, cormorões e pinguins.

Santuários

Abrindo com as singularíssimas paisagens vulcânicas e a fauna das Ilhas Galápagos, a seção engloba ainda as populações anciãs da Nova Guiné e Irian Jaya, os Mentaway da Ilha Siberut, nos arredores da província de Sumatra, na Indonésia, e paisagens, vida selvagem e vegetação dos diferentes ecossistemas de Madagascar.

África

Uma impressionante variedade de imagens do continente apresenta tanto a extraordinária vida selvagem do Delta de Okavango, na Botswana, quanto os gorilas do Parque Virunga, na divisa de Ruanda, Congo e Uganda; do grupo Himba, da Namíbia, e dos tribais Dinkas do Sudão, à população do Deserto Kalahari em Botswana; das tribos do Omo Sul, na Etiópia, às antigas comunidades cristãs do Norte da Etiópia.

Na África, revelam-se espetaculares – e numerosos – desertos, com suas texturas de areia e pedra; alguns são planos como oceanos, outros estão interrompidos por montanhas áridas. Em algumas imagens capturadas na Líbia e na Algéria, vêem-se sinais de vida: não somente nos cactos e roedores mas igualmente na arte rupestre datada de milhares de anos.


Terras do Norte


Mostra as visões do Alasca e do Colorado, nos Estados Unidos; as paisagens naturais do Parque Nacional Kluane, no Canadá; estão aqui também o extremo norte da Rússia, incluindo o local de reprodução do urso polar, na Ilha Wrangel, a população indígena Nenet, no Norte da Sibéria, e a península Kamchakta, na ponta mais oriental do país.


Amazônia e Pantanal

A enorme floresta tropical, vista do céu, é cortada pelo rio Amazonas e seus afluentes – e o desenho lembra uma gigantesca árvore da vida, com braços e mãos se estendendo do coração do Brasil em direção aos países vizinhos. Seguindo para o Norte para capturar os Tepuis Venezuelanos, as mais antigas formações geológicas na Terra, a seção inclui ainda as imagens da vida selvagem do Pantanal no Mato Grosso, da tribo indígena Zo’e, alcançada pela primeira vez há apenas duas décadas, assim como as tribos mais assimiladas do alto Rio Xingu.


GENESIS, DE SEBASTIÃO SALGADO
De 13 de março a 12 de maio de 2014, na Usina do Gasômetro
(Av. Presidente João Goulart, 551 – Centro)
Visitação: de terça a sexta, das 9h às 21h; sábado e domingo, das 10h às 21h.
Entrada franca.
Palestra de Sebastião Salgado
Sexta-feira, 14 de março, às 10h, no Salão de Atos da UFRGS
(Av. Paulo Gama, 110 – Campus Central UFRGS)
Entrada franca
Não haverá distribuição de senhas, entrada por ordem de chegada
Patrocínio Projeto Genesis: Banrisul
Patrocínio: Corsan
Apoio: Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Produção: Brasil Imagem e Alice – Agência Livre para Informação Cidadania e Educação
Correalização: Prefeitura Municipal de Porto Alegre/Secretaria Municipal da Cultura
Realização:
Ministério da Cultura

Informações à imprensa:
Paola Fraga Coelho
(51) 9511.2913
imprensa@festfotopoa.com.br
paolafraga@gmail.com

domingo, 9 de março de 2014

RESPEITÁVEL PÚBLICO! O CIRCO INVADE A SALA P.F. GASTAL





Entre os dias 11 e 23 de março, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) apresenta a mostra Respeitável Público! – trazendo uma seleção de filmes que versam sobre as alegrias e os horrores no universo do circo. A mostra celebra a 1ª edição do Festival de Circo de Porto Alegre, produzida pelo SATED/RS, Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do RS, em conjunto com a Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre.


O circo sempre foi um tema presente no cinema, em obras que revelam tanto o lado festivo quanto o sombrio da vida nos picadeiros. A diversidade já aparece na década de 1920, quando encontramos a célebre história de amor pintada por Charlie Chaplin em O Circo, mas também a incursão nebulosa de Tod Browning em O Monstro do Circo, que narra a paixão proibida de um atirador de facas sem braços e sua companheira de trabalho.      
 
Outros filmes do período clássico de Hollywood estão presentes na mostra como O Maior Espetáculo da Terra, penúltimo longa-metragem de Cecil B. DeMille, e O Mundo do Circo, faroeste de Henry Hathaway interpretado por John Wayne. A trupe comandada por Groucho Marx também deu sua contribuição anárquica ao tema em Os Irmãos Marx no Circo. Do outro lado do Atlântico, Marc Allégret realizou nos anos 1930 o clássico Zouzou, sobre uma jovem estrela do circo, criando um dos filmes mais importantes dos primeiros anos do cinema falado na França.

Ao longo dos anos, as narrativas circenses ganharam outros olhares, como a provocação política Viva Maria!, de Louis Malle, com Jeanne Moreau e Brigitte Bardot fazendo uma dupla de strippers guerrilheiras, o elogio da trupe andarilha de Bronco Billy, um dos melhores filmes de Clint Eastwood, ou no pesadelo filmado por Woody Allen, homenageando o expressionismo em Neblina e Sombras.

A mostra ainda exibe dois filmes singulares que visitam o universo circense: O Homem Elefante, de David Lynch, drama sobre um homem tratado como uma aberração por conta das deformidades de seu corpo e Santa Sangre, marco da filmografia do chileno Alejandro Jodorowsky que aborda através de exageros surrealistas a relação atípica entre mãe e filho que trabalham num grande circo.   

A mostra Respeitável Público! tem o apoio da distribuidora MPLC e da locadora E o Vídeo Levou.


GRADE DE PROGRAMAÇÃO
11 a 23 de março de 2014


O Monstro do Circo (The Unknown), de Tod Browning (Estados Unidos, 1928, 63 minutos)

Alonzo é um atirador de facas de grande sucesso num circo, apresentando-se como o "Homem Sem Braços" e usando os pés no seus números. Apaixona-se por Nanon, sua assistente, que não suporta ser tocada por mãos de homens. Por amor e, também, para esconder um grande segredo, Alonzo arma um plano de graves conseqüências. Exibição em DVD.  
 

O Circo (The Circus), de Charlie Chaplin (Estados Unidos, 1928, 71 minutos)

Carlitos é confundido com um ladrão e vai se refugiar num circo, onde se transforma na atração principal e revolta-se contra o tirânico proprietário do circo. Uma das obras-primas mais importantes de Chaplin. Exibição em DVD.




 
Zouzou (Zouzou), de Marc Allégret (França, 1934, 90 minutos)

Uma estrela abandona o espetáculo e deixa o produtor desorientado, quando desaparece com o homem que crê ser seu verdadeiro amor. Logo, uma jovem talentosa (Baker) a substitui e salva o show, transformando-se na principal atração, da noite para o dia. Exibição em DVD com legendas em espanhol. 

Os Irmãos Marx no Circo (Marx Brothers – On Circus), Edward Buzzell (Estados Unidos, 1939, 87 minutos)


Dono de um circo pode ser obrigado a abandonar o negócio por causa de uma enorme dívida com seu sócio. Quando o dinheiro para pagar a dívida é roubado, apenas alguns funcionários completamente malucos podem ajudá-lo. Exibição em DVD.
   



 
O Maior Espetáculo da Terra (The Greatest Show On Earth), de Cecil B. DeMille (Estados Unidos, 1952, 152 minutos)

O principal mérito de O Maior Espetáculo da Terra é a grandiosidade com que Cecil B. DeMille retrata o empreendimento circense, definido nas palavras do próprio realizador como "um incansável gigante em movimento". Charlton Heston faz Brad Braden, o big boss como serragem nas veias, que mantém a qualquer custo o circo Ringling Brothers and Barnum e Bailey em pé. Cornel Wilde é o grande Sebastian, um lendário trapezista que se rivaliza com Braden pela conquista de Holly (Betty Hutton). Ao lado do trio protagonista contracena uma dupla mais sombria: o palhaço Butons (James Stewart), ex-médico procurado pelo assassinato da mulher, e Klau (Lyle Bettger), um domador de elefantes sádico. Todos vivem momentos de apreensão e euforia, erguendo e reerguendo o espetáculo em cada cidade, porque chova ou faça sol, o show deve continuar. Exibição em DVD.

A Morte Ronda o Espetáculo (Ring of Fear), de James Edward Grant (Estados Unidos, 1954, 93 minutos)  

O terror toma o centro do picadeiro neste filme de suspense da Batjac Production Company de John Wayne. Depois de escapar de um hospital psiquiátrico, um maníaco homicida, chamado Dublin O'Malley (Sean McClory) se integra num confortável e familiar ambiente de seu passado - o famoso circo de Clyde Beatty. Exibição em DVD.




Trapézio (Trapeze), de Carol Reed (Estados Unidos, 1956, 101 minutos)

Tino Orsini (Tony Curtis) é o filho de um trapezista que vai até Paris, para tentar aprender com um famoso trapezista, Mike Ribble (Burt Lancaster), que sofreu um acidente no passado, como executar o triplo mortal. Gradativamente Orsini ganha a confiança de Ribble, mas a amizade entre os dois é ameaçada quando Lola (Gina Lollobrigida), outra trapezista do circo, se livra dos seus parceiros, pois quer atuar junto de Orsini e Ribble. Entretanto Ribble só gosta de trabalhar em dupla e, além da dificuldade da tarefa, um triângulo amoroso surge, quando Lola desperta a atenção dos dois trapezistas. Exibição em DVD.

O Mundo do Circo (Circus World), de Henry Hathaway (Estados Unidos, 1964, 135 minutos)

Uma grandiosa e emocionante história da vida no circo, com John Wayne no espetacular papel de Matt Masters, um cowboy que agora é o proprietário do circo, e Rita Hayworth e Claudia Cardinale, mãe e filha que conhecem os prazeres e as tragédias do mundo do circo melhor do que ninguém. Este filme é uma fascinante história de tristeza e felicidade, camaradagem e bravura. Nunca o cinema apresentara tamanhas acrobacias numa produção tão completa. Cheia de ação e belos shows circenses, com diligências, cavalos, índios e tiroteios. Bela produção de Samuel Bronston. Exibição em DVD.

7 Faces do Dr. Lao (7 Faces of Dr. Lao), de George Pal (Estados Unidos, 1964, 99 minutos)

Dr. Lao (Tony Randall), chinês gentil e idoso de 7322 anos chega em Abalone, com seu circo. Ele rapidamente nota que a cidade é dominada por um rico rancheiro, Clint Stark (Arthur O'Connell), que alega que em seis meses não haverá mais água, pois o aqueduto está quase inutilizado.Stark quer comprar toda a cidade e só Ed Cunningham (John Ericson), o dono do jornal local, se opõe. Mas em poucos dias o Dr. Lao irá alterar a vida dos moradores de Abalone. Exibição em DVD.

Viva Maria! (Viva Maria!), de Louis Malle (França, 1965, 120 minutos)

O filme conta o encontro de Maria II, a filha de um terrorista irlandês que acabou de perder o pai, com Maria I, uma cantora de circo, no interior de um país imaginário da América Latina, em 1907. Maria II resolve fazer parte do circo com Maria I e quando as duas fazem um número de canto, elas acidentalmente inventam o striptease, o que torna o circo famoso. Durante suas aventuras, elas conhecem um líder revolucionário socialista e se tornam líderes de uma revolução contra o ditador local, a igreja e o capitalismo. Exibição em DVD.

Bronco Billy (Bronco Billy), de Clint Eastwood (Estados Unidos, 1980, 119 minutos)

Peça para Clint Eastwood fazer uma escolha pessoal entre os personagens de seus filmes e você poderá se surpreender pela escolha. “É um tema fora de moda”, Eastwood diz. “Mas se, como diretor, eu sempre quis dizer alguma coisa, você encontrará em Broco Billy.” Um dos mais divertidos e tocantes filmes que você viu, neste ou em qualquer outro ano, tem Clint Eastwood como o pistoleiro de pontaria certeira e líder de uma moderna caravana com show do oeste selvagem. A vida tem sido outra para Billy e sua nobre trupe. Mas sua sorte talvez mude – na pouca simpática figura de uma fútil dama da sociedade (Sandra Locke). Você já pode ter seu personagem de Eastwood favorito. Assista Bronco Billy e, quem sabe, você terá um outro. Exibição em DVD.

O Homem Elefante (The Elephant Man), de David Lynch (Estados Unidos, 1980, 124 minutos)

Uma assustadora aberração de circo, John Merrick (John Hurt - Hellboy, Dogville, Harry Potter e a Pedra Filosofal) é rotineiramente humilhado por seu mestre Bytes (Freddie Jones - Firefox, Duna, Erik e o Viking). Mas Frederick Treeves, um famoso cirurgião (Anthony Hopkins - Alexandre, A Máscara do Zorro, O Silêncio dos Inocentes), fica fascinado por aquele personagem grotesco e o leva para o hospital em que trabalha. Fora daquele ambiente hostil, o médico vai descobrir que, a despeito de sua aparência incomum, Merrick é um ser humano sensível, inteligente e gentil. Exibição em DVD.

Santa Sangre (Santa Sangre), de Alejandro Jodorowsky (México, 1989, 123 minutos)

Fenix é um jovem que vive internado em um hospício. Quando era novo, ele presenciou a mutilação de sua mãe, uma fanática religiosa pagã, pelo próprio pai, o dono de um circo muito peculiar. Traumatizado, Fenix embarca em uma obsessão pela própria mãe, e entra em um mundo de trevas e de mortes indiscriminadas. Exibição em DVD com legendas em espanhol.




Neblina e Sombras (Shadows and Fog), de Woody Allen (Estados Unidos, 1991, 85 minutos)

Em uma pequena comunidade europeia dos anos 20, durante uma única noite, uma série de eventos envolvendo a caça de um estrangulador põe em risco a vida de todos. Um atrapalhado homem é designado através de um plano, do qual não sabe nada a respeito, para encontrar o assassino, enquanto protege uma atriz circense que se encontra sozinha nas ruas. Homenagem de Woody Allen ao expressionismo alemão, brilhantemente fotografada em preto-e-branco por Carlo Di Palma. Exibição em DVD. 



GRADE DE HORÁRIOS DA PRIMEIRA SEMANA
11 a 16 de março de 2014

11 de março (terça-feira)
 15:00  – Os Irmãos Marx no Circo, de Edward Buzzell
 17:00  – O Homem Elefante, de David Lynch
 19:00 – O Monstro do Circo, de Tod Browning

12 de março (quarta-feira)
15:00 – Trapézio, de Carol Reed
17:00 – Bronco Billy, de Clint Eastwood
19:00 – Santa Sangre, de Alejandro Jodorowsky

13 de março (quinta-feira)
15:00 – Neblina e Sombras, de Woody Allen
17:00 – Zouzou, de Marc Allégret
19:00 – O Maior Espetáculo da Terra, de Cecil B. DeMille 

14 de março (sexta-feira)
15:00 - Os Irmãos Marx no Circo, de Edward Buzell
17:00 – Viva Maria!, de Louis Malle
20:00 – Raros: Pastoral: To Die in the Country (Shūji Terayama)



15 de março (sábado)
15:00 – Bronco Billy, de Clint Eastwood
17:00 – O Monstro do Circo, de Tod Browning

19:00 – O Homem Elefante, de David Lynch

16 de março (domingo)
15:00 – Trapézio, de Carol Reed 
17:00 - Neblina e Sombras, de Woody Allen
19:00 - Santa Sangre, de Alejandro Jodorowsky 





Sala P. F. Gastal
Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia
Av. Pres. João Goulart, 551 - 3º andar - Usina do Gasômetro
Fone 3289 8133 / 8135 / 8137